terça-feira, 22 de novembro de 2011

capitulo cinco--Celton em Belo Borizonte

A chegada foi uma maravilha, depois de várias horas de viagem e muito enjoo de dona  Dina.
Lacarmélio e Leninha ficaram de boca aberta olhando a av. Afonso pena cruzamento da rua Guajajaras, para eles aquilo era a imagem do paraíso.
---Nossa! a gente vai morar aqui mesmo?--Perguntou olhando para sua mãe.
Dona Lina abraçou os filhos e disse.
---Vamos meus filhos, vamos ver o que Deus tem pra nos.
Não ia ser fácil, as crianças vieram sem pegar o resultado final, não sabiam se tinham sido aprovados.
Laca já estava com treze anos e Leninha com onze quase completando doze, uma moça. Chorou muito quando saiu da cidade dela, já sentia saudades dos amigos, sabia que ali nunca mais seria do mesmo jeito que era.
Júlio já estava trabalhando estudando estava terminando de se formar contador, alugou um barracão sem conforto no bairro Vera Cruz.
Laca, achou tudo bom apesar de não ser grande, tinha fogão á gaz e uma televisão, coisa que eles nunca sonhariam de ter.
Já tinha planos, o herói Celton já estava na sua cabeça e começado só que ele ainda se chamava Homem- Felino.
--Vai ser difícil, mamãe, mas aqui teremos mais oportunidades.--Dizia Júlio.
Realmente foi muito difícil, tudo.
Leninha chorou muito, tinha ficado em recuperação em Francês, matéria que nem tinha nos currículos das escolas que ela queria estudar, mas a professora dela de Itabirinha não deu chances pra ela, ela não tinha condições de ir fazer a prova e sendo assim perdeu o ano.
um ano de escola pra ela era muito, já que ela se considerava uma boa aluna, Laca já ia pra terceira série ( sétima série atualmente.
Foi passando a vida, Laca sempre desenhando a mão fez vários números da revistinha do Homem- Felino.
Virou vendedor de me cherica para ajudar nas despesas, já que o salario de dona Lina ainda ficava quase todo lá onde eles moravam, ela já veio com o pedido de aposentadoria.
Saia pé com os meninos do bairro Vera Cruz até a Pça da Liberdade onde ficava a secretaria de educação, Laca descobriu a Biblioteca Publica e ele e a irmã pegavam livros emprestados. Monteiro Lobato, Júlio Verne eram os preferidos, Leninha já tinha amor pela leitura desde que tinha aprendido as primeiras silabas.
O crochê que ela tinha aprendido em Itabirinha agora servia para pagar o lanche de todo dia.
--É meus filhos amanhã vou começar a procurar uma casa melhor pra gente morar, graças a Deus ontem paguei a ultima parcela da divida do seu pai.
Laca não entendia ainda muito bem, mas não concordava da mãe ter dado tudo deles pra pagar dividas de jogo de um pai ausente.
Mas um dia vou ajudar minha mãe.-Pensava.
Descobriu Belo Horizonte as revistinhas iam chegando, escola não gostava muito não, bem que sua mãe tentou , ele terminou o primeiro ano o segundo tentou várias vezes, vinha sempre aborrecido pra casa.
--Não volta naquela escola, esses professores ensinam tudo errado, e se a gente vai pedir uma explicação de história ou inglês eles não sabem nada.
Tinha aprendido inglês cantando musicas dos Beatles e Elvis incentivado pelo Júlio.
Júlio quando recebia o pagamento do mês a primeira coisa que fazia era levar os irmãos no cinema e corria pra comprar discos, livros de bolso era a paixão dele, tudo que ele podia ensinar os irmãos de arte e cultura ele fazia.
Leninha achava o irmão o máximo.
A

2 comentários:

  1. Júlio foi meu colega de escola. Garoto aplicado e bom.

    ResponderExcluir
  2. Legal ele te manda lembranças, ele sempre foi 10.
    bjus

    ResponderExcluir